26 abril, 2019

"Lembrança"

Ponho um ramo de flores
na lembrança perfeita dos teus braços;
cheiro depois as flores
e converso contigo
sobre a nuvem que pesa no teu rosto;
dizes sinceramente
que é um desgosto.
Depois,
não sei porquê nem por que não,
essa recordação desfaz-se em fumo;
muito ao de leve foge a tua mão,
e a melodia já mudou de rumo.
Coisa esquisita é esta da lembrança!
Na maior noite,
na maior solidão,
vem a tua presença verdadeira,
e eu vejo no teu rosto o teu desgosto,
e um ramo de flores, que não existe, cheira!
Poema de Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nascido a 12 de Agosto de 1907, em São Martinho de Anta, Portugal. 
Formou-se em Medicina na Universidade de Coimbra, cidade onde faleceu a 17 de Janeiro de 1995.
Considerado um dos grandes escritores portugueses contemporâneos, foi distinguido com vários prémios, nomeadamente com o Prémio Camões, em 1989.
"Lembrança"(1939) consta do livro que reúne todos os poemas do poeta: "Poesia Completa", editado em 2000 pelas Publicações Dom Quixote.
Detalhes das obras "The rose girl", "Summer", "Spring" e "Under the Cherry Tree", do pintor francês Émile Vernon (1872-1920).

12 comentários:

  1. Poema e pinturas muito lindos,enchem olhos e coração! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. É assim a " lembrança " , vem na " maior noite, na maior solidão e lá ficamos nós, no escuro, de olhos bem abertos, afastado que foi o sono, procurando distinguir aquele rosto, os seus contornos, os seus olhos, o seu sorriso, mas.... em vão..." tudo se desfaz em fumo ", fugindo lentamente apertando o nosso peito de saudade; dói muito uma " lembrança " de alguém que se foi e que não
    sai do nosso coração, apesar de se ir esbatendo a imagem ainda há pouco tão perfeita na nossa
    mente. Mas...ao nosso lado há um candeeiro que podemos acender e, olhando o rosto sorridente na foto que fazemos questão de manter junto a nós, uma lágrima pode cair, mas o sossego volta e o sono chega reparador. Nova lembrança virá com certeza e cada vez mais esbatida pelo tempo. Um beijinho, querida Amiga e um abraço bem apertadinho, de amizade carregadinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  3. Prefiro a prosa à poesia de Miguel Torga. Mas os enfeites realçam a beleza do poema.

    ResponderEliminar
  4. Querida amiga, adorei, 'Lembranças', que lindo poema de Miguel Torga e as obras de Émile Vernon são belíssimas, uma doçura de postagem, dei uma levantada ao entrar nessa página!
    Beijos, um ótimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde de Oitava de Pascoa, querida amiga Teresa!
    Um belo poema adornado com lindas e românticas imagens.
    Seu bom gosto se faz sentir de longe, amiga.
    Tenha dias felizes!
    Bjm carinhoso, fraterno e pascal

    ResponderEliminar
  6. Sempre um prazer para ler a obra do Miguel Torga

    ResponderEliminar
  7. Adoro Miguel Torga.
    Abraço e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  8. Miguel Torga, um dos meus poetas favoritos. O poema é maravilhoso. "Coisa esquisita é esta da lembrança!
    "Na maior noite,
    na maior solidão,
    vem a tua presença verdadeira,
    e eu vejo no teu rosto o teu desgosto,
    e um ramo de flores, que não existe, cheira!"
    Posso sentir estas palavras como se fossem minhas…
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  9. Querida amiga Teresa, vejo pelo poema aqui postado que Miguel Torga é um poeta de muita importância (seus poemas falam por ele). As pinturas de Émile Vernon são magníficas. Transcrevo a primeira estrofe desse poema de Torga:

    Ponho um ramo de flores
    na lembrança perfeita dos teus braços;
    cheiro depois as flores
    e converso contigo
    sobre a nuvem que pesa no teu rosto;
    dizes sinceramente
    que é um desgosto.


    Uma excelente semana, Teresa.
    Beijo.
    Pedro
    (Teresa, deixei uma resposta no teu comentário)

    ResponderEliminar
  10. Uma linda postagem, Tereza!
    Gostei de conhecer Miguel Torga, e as pinturas que ilustram o poema são belas e românticas. Adorei!
    Beijos e uma semana bem tranquila.

    ResponderEliminar
  11. Quantas vezes o encontrei ali na Baixa, junto à Brasileira e ao Arcádia!!!
    Beijo, boa semana

    ResponderEliminar
  12. Confesso que não conheço muito da obra dele.


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar