05 janeiro, 2018

Se a nossa vida fosse um eterno estar-à-janela...


"Se a nossa vida fosse um eterno estar-à-janela, se assim ficássemos, como um fumo parado, sempre, tendo sempre o mesmo momento de crepúsculo dolorindo a curva dos montes. Se assim ficássemos para além de sempre! Se ao menos, aquém da impossibilidade, assim pudéssemos quedar-nos, sem que cometêssemos uma ação, sem que os nossos lábios lívidos pecassem mais palavras!
Olha como vai escurecendo!... O sossego positivo de tudo enche-me de raiva, de qualquer coisa que é o travo no sabor da aspiração. Dói-me a alma… 
Tão supérfluo tudo! Nós e o mundo e o mistério de ambos."


Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014
Foto da net.

8 comentários:

  1. Pois é, minha querida amiga, não fomos feitos para isso, e sim para interagirmos, para fazermos bobagens e poder dar a volta por cima e consertar. Nada é estático, e que bom.Felizmente o mundo não vive de rotina, oferece mais.
    "Tão supérfluo tudo!" É verdade, e pensando bem, isso é que dói.
    Beijo grande!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Da minha janela vejo o mar e nele me encontro.
      Do resto, não me importo...
      Beijo e bom 2018, querida amiga.

      Eliminar
  2. Ainda bem que podemos não estar sempre à janela e que a podemos abrir ... vislumbrar até ao limite do olhar!
    gostei da reflexão!
    ...
    Ontem mostrei um belíssimo conjunto megalítico:
    https://crocheteandomomentos.blogspot.pt/2018/01/conjunto-escultorico-megalitico.html

    Hoje … e para comemorar o Dia de Reis … uma partilha gostosa:
    https://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/2018/01/bolo-rei.html

    Especialmente para si … um belo de um fim de semana!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Gracinha!
      Vou já espreitar tudo, começando pela partilha gostosa... Mais açúcar, não!!!
      Bom primeiro domingo de um excelente ano.
      Beijo.

      Eliminar
  3. Uma maravilha, Teresa, essa prosa poética de Fernando Pessoa (in “Livro do desassossego”, de Fernando Pessoa, Ed. Tinta da China, 2014. É sempre muito bom ler esse magistral poeta.
    Desejo a ti e a teus familiares, Teresa, um ótimo ano de 2018, com amor, saúde e paz.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pedro!
      Este livro é encantador e não me canso de o folhear...
      Bom 2018, amigo, principalmente com muita saúde. Continua a brindar-nos com versos poderosos, tá?!
      Abraço para ti e família.

      Eliminar
  4. Já li e reli o "Livro do desassossego" e sempre encontro motivos de reflexão.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um PEQUENO livro que nunca desilude.
      Boa semana também para ti, amiga Graça.
      Beijo.

      Eliminar