17 fevereiro, 2015

"Morreste-me" - José Luís Peixoto

… oiço o eco da tua voz, da tua voz que nunca mais poderei ouvir. A tua voz calada para sempre. E, como se adormecesses, vejo-te fechar as pálpebras sobe os olhos que nunca mais abrirás. Os teus olhos fechados para sempre. E, de uma vez, deixas de respirar. Para sempre. Para nunca mais. Tudo o que te sobreviveu me agride. Pai. Nunca esquecerei.
“Morreste-me”.
Homenagem ao pai, José João Serrano Peixoto.
O texto foi escrito entre Maio de 1996 e Maio de 1997. O primeiro capítulo foi publicado no suplemento juvenil do Diário de Notícias, DN Jovem, a 7 de Maio de 1997. Foi premiado. Em 2000 chegou às bancas o livro. José Luís Peixoto, então com 26 anos, passou de desconhecido a escritor promissor.
“Morreste-me”.
Relata a doença e morte do pai. A dor profunda da perda. O luto.
Pai, onde estiveres, dorme agora. Menino. Eras um pouco muito de mim. Descansa, pai. Ficou o teu sorriso no que não esqueço, ficaste todo em mim. Pai.Nunca esquecerei.

Não encontro palavras para dizer o quanto este livrinho me tocou. Só dor e lágrimas.
Ponto final.

Morreste-me, de José Luís Peixoto
Ed. Quetzal, 2009
61 págs.

5 comentários:

  1. Creio que foi o primeiro livro que li, do autor, e gostei muito. Voltei a lê-lo quando faleceu o meu pai. José Luís Peixoto é um dos autores desta nova geração de que gosto bastante.
    Bom Carnaval:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isabel,
      Em 2015 vou ler tudo de JLP.
      Vale mais tarde...
      Bjs.

      Eliminar
  2. Quero muito ler este livro mas ainda tenho que arranjar coragem...
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita, Patrícia, mas não deixes de ler.
      Bjs.

      Eliminar
  3. Este é simplesmente poesia e dor, dor e poesia. Tão doce e tão triste, tão suave e luminoso.
    Continuação de boas leituras!

    ResponderEliminar